Como trabalha um psicanalista?

Esse texto é para todos os meus amigos, que investiram nos estudos de formação em psicanálise em 2011 e que finalmente se formaram no início desse ano, mas que continuaram a estudar e discutir os mais variados temas nos muitos grupos de trabalho na instituição que frequentamos, aqui na cidade de Juiz de Fora - MG.
É claro, que temos muito o que aprender e ainda vivenciar na profissão!
Então, resolvi escrever a resenha sobre o livro cujo título é o mesmo desse post: Como trabalha um psicanalista?, de Juan David Nasio, ou simplesmente, como o conhecemos: J.D. Nasio.

O livro é fruto de um seminário realizado em Paris, cidade onde o autor lecionou por 30 anos, na Universidade de Paris VII - Sorbone e onde atualmente ainda dirige os Seminários Psicanalíticos de Paris.
Muitos dos participantes deste seminário fizeram intervenções e estas foram preservadas na escritura do livro, a fim de nos mostrar muitas das perguntas, que algumas vezes, pairam em nossas mentes e não sabemos como respondê-las.
Nasio escreveu como um manual de técnica analítica, entretanto, escapando da forma comum dos manuais que, normalmente, são vendidos. Aqui, o autor faz o leitor refletir acerca do "inexplicável" da psicanálise. Mostrando, assim, aos desavisados, que a sessão analítica não se resume a um divã, uma fala ou um silêncio... Não! Nada disso.
Nasio contesta, assim, a caricatura do analista silencioso, que teoricamente, mal participa do set analítico. Ao contrário, defende  a necessidade do analista de conduzir a sessão, assim como a necessidade da existência de uma técnica para tal.
O psicanalista e professor Nasio retoma textos importantes tais como: "A direção do tratamento e os princípios de seu poder", de Jacques Lacan, bem como aborda psicanalistas desde Freud, Ferenczi, Reik entre outros, trazendo à tona temas como por exemplo, "A sequência dolorosa da transferência", "o lugar do analista" e "a interpretação".

Acabei de ler o livro e pude perceber, que mesmo destacando algumas partes há tantas outras, as quais poderiam ser também destacadas e discutidas exaustivamente. Acredito que o livro é uma fonte inesgotável de abordagens cotidianas do set analítico, levando em consideração cultura, língua e momento espacial, porque a subjetividade do humano é sempre subjetividade do humano em qualquer tempo e lugar.



Referências:
NASIO, J. D. Como trabalha um psicanalista?
Rio de Janeiro: Zahar, 1999, série transmissão da psicanálise.
Preço sugerido: R$ 37,00 a 43,00 

Comentários

Postagens mais visitadas